ferran-feixas-X04XVaCNpho-unsplash

Quem diria, São Paulo, que passaríamos por isso juntos?

Quem diria, São Paulo, que passaríamos por isso juntos?

Uso a data sempre como um marco, da minha vinda para a cidade e do seu aniversário. Desde o século passado, em 1993. Só que desta vez há muita coisa diferente acontecendo.

Vir para São Paulo na maioria das vezes é uma escolha natural, um chamado, uma atração. E sempre somos acolhidos de forma generosa e desafiadora, grandiosa e detalhista, intensa e delicada.

Desde o ano passado a cidade foi obrigada a se reinventar. Redesenhar seu transporte, seu consumo, seu entretenimento. Mais um desafio para a cidade que atrai pessoas e negócios, numa convergência de povos e culturas, de visões e de causas. E como as causas estiveram em destaque!

E como a cidade, fomos todos obrigados a aprender rapidamente com o desconhecido da pandemia, o fantasma do afastamento social, das portas fechadas, do consumo proibido.

Em janeiro tem vacina e tem a fase mais aguda da pandemia. Bem a sua cara, São Paulo, conflitante e convergente, fria e emotiva, acolhedora e implacável.

Muitos paulistanos não têm cuidado de você corretamente, aglomerando e negando o risco de continuidade, de vida e de negócios, de relações pessoais e profissionais, dos apertos de mão determinados e dos abraços afetuosos.

Que tenhamos mais consciência e cidadania, mais respeito e empatia. E que não esperemos “isso tudo passar” para agir. É urgente o combate às desigualdades. Do empreendedor com sua PME sufocada financeiramente, do jovem da comunidade sem acesso ao estudo remoto, da mão ou do pai de família sem perspectiva profissional em meio à pandemia.

Deixo aqui um agradecimento e uma provocação:

Obrigado São Paulo por me acolher, me desafiar, me ensinar. Por não me mostrar o caminho, mas permitir que eu criasse o meu, deixando as minhas pequenas marcas, as minhas singelas contribuições, meu micro legado.

E que todos os paulistanos, natos ou acolhidos, sejam protagonistas da urgente mudança que tanto precisamos: social, de empatia e atitude; e empresarial, com inovação e colaboração.

Publicado originalmente no LinkedIn.

Compartilhe essas ideias

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email